Resenha de Melhor que Chocolate, Laura Florand
CampNaNoWriMo 2015: outra competição, dessa vez de escrita
The Wattys: a competição anual do Wattpad




31 de outubro de 2013

Especial Semana do Terror: Não Tão Aterrorizantes - Depoimento de Uma Leitora franga em pleno Halloween




E aí, pessoal? Como estão? Feliz Halloween (essa frase é meio estranha, tipo," feliz dia em quem o véu entre o nosso mundo e o mundo sobrenatural fica mais fino e seres do mal tem acesso ao nosso mundo!", mas ok). O Uma Leitora, como diz o título, é um blog literário e seria mancada passar essa data sem conversar um pouco sobre essa data e sobre o gênero terror na literatura e na minha vida (mesmo o Brasil sendo levemente chato e não ter aderido a data ¬¬). 


Qual a origem da comemoração do Halloween? (Revista Mundo Estranho)

Uma versão ancestral da festa - que por aqui também é conhecida como Dia das Bruxas - provavelmente surgiu na Europa, centenas de anos antes de Cristo. Originalmente, o Halloween era um ritual dos celtas, um povo que habitou a Grã-Bretanha e a França entre o ano 2000 e o ano 100 antes da era cristã. Para eles, a noite de 31 de outubro, data da comemoração até hoje, indicava o início do Samhain, uma importante celebração que marcava três fatos: o fim da colheita, o Ano-Novo celta e também o início do inverno, "a estação da escuridão e do frio", um período associado aos mortos. "No Halloween, segundo a mitologia desse povo, era possível entrar em contato com o mundo dos desencarnados", diz a historiadora Clare Downham, da Escola de Estudos Celtas, na Irlanda. Como se pregava que esse contato libertava todo tipo de espírito, as pessoas acreditavam que, durante aquela noite, fantasmas, demônios e fadas ficavam à solta.
Para representar esse caos sobrenatural, os celtas se fantasiavam com peles e cabeças de animais abatidos para o inverno. A crença nos espíritos também despertou outros costumes típicos da festa, como o uso de leite e comida (hoje substituídos por doces) para acalmar os visitantes do além. Outras tradições, porém, foram deixadas de lado, como o hábito de acender fogueiras para espantar os espíritos. Bem depois, no século 9, a festa foi influenciada pela expansão do cristianismo na Grã-Bretanha. Na tentativa de acabar com os festejos pagãos, o papa Gregório III consagrou o dia 1º de novembro para a celebração de Todos os Santos. Surgiu daí a própria palavra halloween, originada de all hallows eve, que em português quer dizer "véspera do dia de Todos os Santos". Finalmente, no século 20, o Halloween juntou ao seu caldeirão de influências a força da cultura dos filmes de terror, que hoje dão o tom da celebração tanto na Grã-Bretanha como nos Estados Unidos.
Pois bem, nessa data, nos países que aderiram ao Halloween, virou costume fazer tudo o que tenha a ver com essa parte histórica, como se fantasiar, pedir doces de porta em porta, se arriscar além do normal em questões sobrenaturais e para nós, assistir e ler muito tudo sobre o gênero sobrenatural.
É, menos eu. 
Um belo dia, em que resolvi ler um dos livros do Joe Hill, "Estrada da Noite", porque tinha gostado da sinopse e tal. Estava de noite, eu já sou medrosa de nascença e dotada de uma imaginação tão fértil, que nesses casos, chega a ser prejudicial. O livro começou a ficar incrivelmente assustador + barulhos estranhos e todos dormindo = cancelei o gênero terror da minha vida. Aí você se pergunta: Poxa, mas sempre vejo altas resenhas sobre filmes de terror e livros sobrenaturais, não estou entendendo.
Nos filmes, a imagem a te assustar já está ali, pronta. A casa em que acontece não é a sua, não é o seu bairro, não é com ninguém que você conhece, agora quando se deixa esse trabalho a imaginação, é como se você estivesse dentro da estória, no meu caso, completamente amedrontada. Desde então, eu sou um frango e parei de ler livros de terror, até recentemente, onde venho tentando resgatar a coragem e voltei, com doses homeopáticas a esse gênero e com livros não tão aterrorizantes, por enquanto. Os mais recentes foram "The Blessed - As Abençoadas" (resenha aqui) e "O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares" (resenha aqui). Quem já leu sabe que esse livros não tem quase nada de terror, mas já me deixaram de cabelo em pé. Com fé, consigo retomar a leitura de terror com mais coragem!
Como o que me restam são filmes, aqui vão as minhas indicações:
Devil, Invocação do Mal, O Ritual, Atividade Paranormal 5, Evocando Espíritos 1 e 2, Horror em Amityville, Sobrenatural, O Exorcismo, Halloween, A Hora do Pesadelo (os antigos), além de todos do Tim Burton.
Séries:
Hannibal, Sleepy Hollow e American Horror Story.
Aproveite essa data para se divertir muito (mesmo que o Brasil não tenha aderido ao Halloween. Nós somo rebeldes :B).
Beijos!
Aline, Uma Leitora

0 comentários:

Postar um comentário

 
♥ Theme por Yara Lima, do Dear Maidy, exclusivo para Romantic lit © 2015 • Todos os direitos reservados • Topo